domingo, 22 de abril de 2018

Alongando-me no alfafal de Al Jazeera a Al Qaeda

(para enriquecer o vocabulário de senadoras fascistas e obtusas)

   Alavancando alarmante aliança - alijando Alckmins, Aloísios e Aléssios das Alterosas -, Alencar e o de alcunha alimentícia almoçaram a la carte no alpendre do Alambique. No altar, o almirante algodoeiro - alteza do Algarve - e o aleijado do almoxarifado. Ali alternaram alheiras, alcatras e almôndegas, alcachofras, almeirões e alfaces, alvoraçadas de alho e alfavacas, alcaparras e alecrim. Alegravam sua aliança alergênica com alimentos al dente.

   Altaneiros, alforriavam-se das algemas que os alquebravam.

   Com Albina ou Alexandra, aliciadores das almas-perdidas. Álibis alargados, alavancas alinhavadas. Altamente alcoolizado, o de Albufeira via alces e almas-de-gato, alpacas e albatrozes. Alados, almejavam alcovas almofadadas, alfombras de Algeciras, aleias de alfazema, alcaçuz e alma-de-flores. Alívios e alentos. Alopatias, alimentos, alvenarias. E, aliás, aleluias. Aleluias.

   Albina aleitava o almirante. Alexandra alucinava o almoxarife com seus alicerces alvos como algodão.

   Mas alto-falantes de alumínio alopravam o albergue com allegros altissonantes, do Alabama ao Alaska, do altiplano a Almagro. Aluados altercavam-se, alfinetavam-se: alegoria de alcatrão, almofadinha, alçapão de alfândega, alquimista alienígena, aleijão alcoólatra. Aleivosias. Um alfabeto de alcunhas de altíssimo alcance: Ali-babá, aloprados e alvos alusivos aleatórios. Alunos alienados alimentados pela Al Jazeera da aldeia, alguns se aloucavam sem alívio. Alternavam-se, alarmando.

   Algaraviados, Albas e Albanos, Alípios e Alices, Alonsos e Alfonsinas, Alines e Alcides, Almeidas e Almadas, Alves e Alcântaras, Alexandrinas e Alfredos, Alcinas e Albuquerques aliciavam almas de Alpestre a Altamira, de Alagoas a Alto Alegre. Alcateias alicerçadas em alusões alheias e alegações alteradas pelo algoritmo.

   Aliados alinhando-se com algozes, alforjes,  alferes e alíneas, alçaram-se ao Alvorada os alcoviteiros de almanaque.

   Alterações de altitude. Alicates.

   Alarmes alçaram-se da alva Alemanha à alijada Albânia. Alô! Alerta!

   Alvejar, alvejar e alvejar, alteou-se a alpinista alemoa com Alzheimer. Alambrar alqueires do Alegrete à Alta Floresta, alargar alinhamentos, alugar alagadiços. Al Qaeda, não! Alá alucina, alumiou.

   Aliviem-se, altruístas de alto-astral.

   Alistem-se, algarismos.

   Alinhem as alpargatas pelas alamedas.

   Alevantem-se num alvorecer de alegres alternativas.

   Algemas, aldravas e alcaguetes não os alcançarão.

   Almejamos o de alcunha alimentícia alforriado.


                                                                                 - Miguel da Costa Franco -



3 comentários:

  1. Curti altamente! Muito criativo, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. O Aleijado e alógico pensamento da Anta Amélia rendendo alegorias alquebradas!
    Mais uma vez, parabéns, Mig!

    ResponderExcluir